domingo, 28 de julho de 2013

Foi assim que aconteceu...

Postado por Priscila Kuller Clemente às 15:20
E quando eu passei a acordar toda manhã com a imagem de seu sorriso na minha mente eu percebi que não tinha mais jeito. Todas as minhas filosofias de que se apaixonar não é bom, que só traria dor de cabeça e eu não queria nada disso foram por água a baixo.

Quando alguém pensa em não se entregar ao amor, essa pessoa praticamente confessa sua fraqueza. Ninguém pode fazer essa promessa a si mesmo, não é justo com seu coração e ele não tem culpa, parece que vive procurando algo para amar e quando encontra não nos pergunta o que achamos, simplesmente começa a agir sem permissão. 

Foi exatamente assim que aconteceu. Eu dizia para mim que não queria nada, que era melhor esquecer logo e partir para outra. Mas nada adiantava, logo comecei a pensar nele todos os 1440 minutos do meu dia, e eu detestava isso. Juro que tentei de todas as formas esquecer, me distrair, sei lá, fazer qualquer coisa que me tirasse ele da cabeça. Mas no fundo eu adorava lembrar dele, das nossas risadas, da forma como me olhava e aquele sorriso de canto.

Eu passava horas na frente do computador esperando que ele viesse me chamar para conversar e me segurava para que eu não cedesse a minha fraqueza, como era difícil... Eu o odiava por o amar tanto, nem sabia porque se tornou tão especial em pouco tempo, mas tinha certeza de que não conseguiria tirá-lo da minha vida tão fácil.

Por que somos tão vulneráveis a paixões? Parece que existem pessoas tão duras a ponto de não se entregar (como eu queria ser como elas antes...), essas parecem que nunca se decepcionam, pois não são idiotas a ponto de se deixar abalar por uma pessoa que não demonstra merecer. Mas, essas mesmas pessoas também não terão a oportunidade de ser realmente amadas somente por medo de se machucar, e esse escudo que foi criado para se proteger servirá de barreira para que novas paixões surjam para mudar essa concepção equivocada do amor. Temos essa mania de nos fechar depois que nos machucamos por quem não vale a pena, o que está totalmente errado.  

Eu tive a sorte de ter uma pessoa para me mostrar que vale a pena acreditar e se entregar, eu amo ele todos os dias e não me arrependo de tudo que passei, (das madrugadas esperando ele me chamar e etc). Tudo tem uma hora certa para acontecer e se é para dar certo, dará!







0 comentários:

Postar um comentário

 

Diário nada particular Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos