quarta-feira, 24 de julho de 2013

O desafio de perdoar

Postado por Priscila Kuller Clemente às 20:47
Eu acho que uma das coisas mais difíceis de se fazer é perdoar, se bem que dizer que perdoou e perdoar de verdade são coisas totalmente diferentes. Eu já disse que perdoei, e não foi só uma vez, foram algumas vezes... Acho que para a pessoa que recebeu o perdão deve estar tudo bem, talvez nem lembre mais do que aconteceu, mas eu lembro, e muito bem.

Estamos 24 horas por dia expostos a mentiras, e se você não acredita basta olhar ao redor, além da mídia que mente toda a hora para acreditarmos na melhor história, e fazer de conta que o mundo é cor de rosa, nós também já mentimos, não diga que não porque estaria mentindo. Pode ser das mais bobas e até sem motivos, mas as pessoas mentem, e muito, afinal são humanos não é? E o ser humano não é imune a erros.

Talvez, seja por isso que ouvimos muitas mentiras por aí. O medo de errar... As pessoas mentem com medo de serem repreendidas, que seu modo de pensar exponha elas ao ridículo. Bobo não é?

Mas e quando essas mentiras passam dos limites e atingem quem não merecia a sua consequência? Essa é a parte delicada. Então para que mentir? O escudo da mentira sempre se quebra e te expõe sem aviso prévio ao pior sentimento do ser humano, o arrependimento. Esse sentimento corroê por dentro. Ele é tão terrível que uma pessoa pode ficar maluca dependendo da gravidade da mentira. E ele é tão sombrio assim, pelo simples fato de não se poder mais voltar atrás.

Aí entra o perdão, o único remédio que pode curar o arrependimento. O perdão verdadeiro é eficaz para ambas as partes, mas quão difícil é obter esse perdão. Dizem que devemos perdoar o próximo e que o rancor não faz bem ao coração. É, quem diz isso esta com toda a razão, não faz nada bem ao coração. Mas bom se fosse fácil assim:

- Me perdoa?! Eu juro que não foi de propósito, me arrependi.
- Está perdoado.

E pronto acabou, viveram felizes e sem culpa alguma...
Sabemos que não é assim, quem já teve sua confiança traída por um amigo, namorado, família, ou seja lá quem for de sua confiança, sabe exatamente o que eu estou falando, e que não foi um simples "me perdoe?" que resolveu a história.

A única coisa que pode curar a dor de mentira é o tempo, e às vezes nem ele. Então vou esperar o tempo  agir para ver se isso um dia irá passar...




0 comentários:

Postar um comentário

 

Diário nada particular Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos